Uma Semana Dedicada as Mulheres

Em alusão ao dia Intenacional da Mulher a Prefeitura Municipal de Viçosa do Ceará através de suas secretarias estará promovendo durante a primeira semana de março/2013 a SEMANA DA MULHER.
Para iniciar as atividades ocorreu na tarde do dia 03 de março/2013 o TORNEIO DE FUTEBOL FEMININO que envolveu as melhores equipes da modalidade do município.
Sagrou-se campeã dessa grande homenagem o ESQUADRÃO ROSA da sede e VICE a equipe de Inharim.
O Dia da Mulher, comemorado no dia 8 de março, não vai passar em branco em Viçosa do Ceará; o Restante da semana continua com uma extensa programação de  comemorações, debates, reflexões, eventos e ações relacionadas as mulheres.

"Hoje é um dia muito importante para todas as mulheres aqui presentes. Não costumo deixar de comemorar datas importantes, pois acho que elas devem ser lembradas e festejadas de alguma maneira. E hoje não podia ser diferente. Nada mais justo do que enaltecer essas mães, donas de casa, estudantes e funcionárias que exercem um papel muito importante na sociedade para nós homens", disse o SECRETÁRIO DE DESPORTO E LAZER DE VIÇOSA DO CEARÁ; Amauri Carneiro.

CURIOSIDADE SOBRE A DATA
Comemorado como o Dia Internacional da Mulher, todo mundo sabe. Mas as pessoas se lembram do real motivo? Não se trata de mera data comercial, uma oportunidade de movimentar as lojas: existe um fato histórico que justifica a celebração.
Em 8 de março de 1857, mais de uma centena de operárias de uma fábrica de tecido de Nova Iorque se mobilizaram na primeira greve conduzida apenas por mulheres. Elas reivindicavam melhores condições de trabalho que, à época, eram sub-humanas, incluíam agressões físicas, sexuais e uma jornada muito extensa.
O pedido era que o tempo de permanência na fábrica fosse reduzido para 10 horas diárias. Para que fossem ouvidas, os afazeres foram interrompidos. A resposta dos patrões e da polícia foi muito violenta e fez com que as mulheres se aprisionassem no estabelecimento. As operárias foram trancadas na fábrica, que foi incendiada, causando a morte de todas elas, carbonizadas.
O dia da mulher se tornou oficial em 1910, durante uma conferência na Dinamarca, e não se firmou apenas como uma data de presentes e propagandas bonitinhas em todo o mundo, mas como uma proposta de debate e de reflexão sobre o papel da mulher na sociedade, seus avanços e as formas de desvalorização que ainda insistem em persistir. 
As mulheres cada vez mais embelezam o futebol. Mas não apenas com a beleza estética, a mais óbvia e, na psiquê testosterônica, bem-vinda. Elas embelezam também com o charme dos comentários sob a ótica do gênero, às vezes mais cáusticos, às vezes mais lógicos. Elas estão nas arquibancadas cada vez mais. São palmeirenses, são-paulinas, santistas, flamenguistas, atleticanas, gremistas, coloradas, tricolores… São tantas! Nestes tempos de comunicação veloz e redes sociais é impossível não notar: elas chegaram pra ficar no terreno que outrora era exclusividade dos rapazes. As moças se engajaram e abriram alas para enfiar a cara no esporte dos machões. São protagonistas em programas de debate exclusivos para elas, embora falem deles, na TV e no rádio. E civilizaram esses espaços com apresentação suave e postura
Cada vez mais é lenda a historinha da moça que reclama do namorado ou do marido: “Ah, ele só quer ver jogo na televisão enquanto eu quero ver novela!”. Hoje, ela abre a lata de cerveja com ele e vê de Campeonato Inglês a Campeonato Cearemse. Ela vai junto para o estádio do Castelão e, em alguns casos, vai com as amigas e deixa o parceiro em casa. Elas aceitam as derrotas com a nobreza cuidadora típica das mulheres. Elas choram na derrota, porém com altivez. Não pensam em insultar as vizinhas ou torcedoras rivais. É mais lúdica e lúcida que os barbados.
Psicóloga Thanandra Veras e
o Secretário Amauri Carneiro

No Dia Internacional da Mulher devemos exaltar o ingresso cada vez mais entusiasmado das Anas, Marias e Renatas no futebol. Elas já são competentes juizas e bandeirinhas, cujas belas coxas vêm abaixo do talento. Elas falam o que pensam sem desmerecer os pensamentos alheios. Nas arquibancadas, em vez de mostrar dedo obsceno para torcedores rivais, ela acena para o time e rói as unhas. E ainda mexe no cabelo, usa brincos, dá sorrisos apaixonantes e dança tangos sem a gente perceber.
Graças às mulheres o futebol vem ganhando charme e doses de calmaria. Cheguem mais, fiquem à vontade. Bem-vindas!